O Efeito Anitta

Este artigo foi primeiramente publicado no Jota.

This article was first published in the legal news site Jota.

Below is an English translation

The Anitta* effect

“To amend a Provisional Measure** isn’t dialogue!” That was Anitta’s response to Representative Felipe Carreras (PSB) during a live Instagram chat between the two, when they were discussing an amendment authored by the Congressman. The amendment to Provisional Measure 948, changing copyright payment rules, did not have the support of the artistic community.

Amending a Provisional Measure (MPs) is an old and widely used tactic to avoid the long and uncertain process of approving a bill. What is new, is a popular singer pressure the author of the amendment during a live Instagram chat. With her more than 47 million followers and well rehearsed talking points, Anitta put Rep. Carreras up against a wall. It took him only a day to reverse course, sending a letter to the President of the Lower Chamber asking for the amendment to be withdrawn.

Today, anyone can lobby. The citizen who includes his/her name on a petition or posts a message on a Representative’s Facebook page in favor or against a bill, is lobbying. This lobby has no face and its strength lies in the thousands or millions of people who mobilize for or against an issue. But when Anitta organizes a live chat with a Member of Congress to discuss his amendment, she creates a new space – open and transparent – for the debate about a public policy proposal. It’s like the traditional meeting in a Member’s office, but for all to see. She did not repost a tweet defending a cause or share a link to a petition, but did directly advocate for the withdrawal of an amendment on a topic of interest to her. The meaning of Anitta’s live is enormous, as it unequivocally exemplifies the democratization of lobbying.

For a long time, lobbying was the exclusive domain of professional lobbyists, however, the internet created a new environment. Social platforms and digital tools have dramatically reduced the barriers that gave lobbyists a comparative advantage when it came to informing the decision-maker about the pros and cons of a proposal or share the views of a given interest group. The conversation would have taken place in a Member of Congress’ office or in one of Congress’ many hallways. However, today the conversation extends into the online world. In my book “Digital Lobby – How the Connected Citizen Influences the Decisions of Governments and Companies” to be published by ABERJE, I talk about the logic and dynamic of this new environment, in which the debate has gone beyond traditional spaces, bringing in new actors.

Celebrity engagement around an issue being discussed in Congress is nothing new. Chef Paola Carosella, for example, actively participated in the discussion about the “Poison Bill”, which dealt with the registration of pesticides. She went to public hearings and posted about the issue on social platforms, such as Twitter. Chef Bela Gil interviewed a representative of the Brazilian Institute for Consumer Protection (Idec) on her YouTube channel and called on her followers to participate in a public consultation on the labeling of food products held by the health regulatory agency ANVISA. However, Anitta, with her more than 47 million followers on Instagram, has brought a new dynamic to the debate.

Many of Anitta’s followers are newcomers to the world of public policy, as is Anitta herself (which she recognizes in her Instagram chats). So much so that she has organized three classes on Instagram with Gabriela Priori, a popular lawyer with her own YouTube channel, to explain in simple terms topics such as, the structure of government at the federal, state, and municipal levels; the relationship between the three branches of government; and some basic political concepts, such as the difference between right and left.

What Anitta shows us, is that power is being redistributed. In a live chat with Representative Molon (PT) to discuss MP 910, which would have legalized illegal land grabs in the Amazon, Anitta says: “I want people, especially my generation, to be interested in politics and understand it in a easy way, so that we can be active and change the things that need to be changed, because we have this power”.

In the not-too-distant past, the Sunday night variety program called Fantástico would occasionally air an investigative piece that would lead to action by the executive, legislative or judicial – called the Fantástico effect. Now we have the Anitta effect. She understands her strength and has assumed an important role in this new world in which public policy is being discussed in the public realm and where everyone can influence government decisions. In this new environment, the unpredictability, complexity, and speed with which issues advance have increased dramatically, and organizations need to rethink how to better connect with society at large and structure themselves so as not to be caught by surprise.

*Anitta is a popular Brazilian singer

**A legal instrument that gives the President the prerogative, under certain circumstances, to issue a law without having to go to Congress. Congress has 60 days to approve it to make it permanent.

 

Experts na mira

A pandemia lançou uma sombra sobre o papel dos experts no debate de políticas públicas, reforçando entre alguns setores da sociedade a ideia de que eles são parciais e  trazem viés político. O mesmo transpareceu após o referendo sobre a permanência da Inglaterra na União Européia (UE), ou Brexit, quando o voto a favor da saída do Bloco foi uma surpresa generalizada. Experts haviam previsto que a saída seria um desastre econômico para o país, o que acabou sinalizando uma desconexão entre a visão de mundo dos experts (elitista) e de uma maioria que não se beneficiou do acordo com a UE.

A questão sobre o papel dos experts não é nova. Em seu livro publicado em 2017 “A Morte do Conhecimento”, Tom Nichols, professor de Assuntos de Segurança Nacional no U.S. Naval War College, fala de três tendências que ajudam a explicar a desconfiança do cidadão em relação aos especialistas: o cidadão passou a associar experts com a elite; acreditar que formular política pública e governar são tarefas fáceis ao alcance de todos e ter a ilusão de conhecimento. 

Perigo maior, no entanto, é quando governantes enveredam pelo mesmo caminho, refletindo o sentimento de suas bases. Enquanto que em alguns países especialistas tiveram papel de destaque no enfrentamento inicial da atual pandemia — em que médicos e epidemiologistas deram o norte da estratégia de prevenção e contenção — em outros, o papel dos especialistas foi amplamente criticado. 

Brasil e EUA estão entre os países nos quais seus presidentes tentaram minimizar o perigo da pandemia logo no seu início, contrário a recomendação dos especialistas. Talvez o comentário que melhor exemplifique esta ambivalência em relação aos experts foi aquele feito pelo Presidente Trump durante uma coletiva de imprensa quando parece ter sugerido que deveria-se avaliar a ingestão ou injeção de desinfetante para tratar o Covid-19. No Brasil, o Presidente Bolsonaro continuamente bateu de frente com seu primeiro Ministro da Saúde, até demití-lo. 

Qualquer que seja a política pública – desde como melhor endereçar uma pandemia e os enormes custos econômicos a ela associados, enfrentar o aquecimento global até decidir sobre a neutralidade da rede – o papel dos experts é fundamental na hora de determinar os potenciais impactos de uma política pública nos diversos segmentos da sociedade, regiões ou setores econômicos e avaliar seu custeio no curto e longo prazos. 

No entanto, quando o debate de políticas públicas vai à público, a lógica do debate é outra. Ela pede uma conversa mais simples e emocional em que o jargão e o conhecimento técnico podem ser percebidos de forma negativa. O grande desafio é trazer conhecimento ao debate público de uma forma que seja relevante ao cidadão — criando uma conexão com sua realidade — e não menosprezar seu papel.  

ENGLISH TRANSLATION —— ENGLISH TRANSLATION —– ENGLISH TRANSLATION

Focus on Experts

The pandemic has cast a shadow on the role of experts in the policy debate, reinforcing the views espoused by many that experts are partial and hold political bias. The same ensued after the British referendum on whether to remain or not in the European Union (EU), or Brexit, when the vote in favor of leaving the Bloc turned out to be a huge surprise. Experts had predicted the exit would be an economic disaster for the country, signaling a disconnect between the world views of experts (elites) and a majority that didn’t benefit from the agreement with the EU.

The issue surrounding the role of experts is not a new one. In his 2017 book “The Death of Expertise”, Tom Nichols, professor of National Security Affairs at the US Naval War College, speaks of three trends that help explain citizen’s distrust in experts: the  association of experts with the elite; the believe that crafting policies and governing are easy tasks that anyone can do, and the illusion of knowledge.

The greatest danger, however, is when elected officials take the same path, reflecting the views of their base. While in some countries experts played a prominent role in the initial stages of the current pandemic – in which doctors and epidemiologists helped direct prevention and containment strategies – in others, the role of experts was criticized. 

Brazil and the US were among the countries in which their presidents tried to minimize the dangers of the pandemic in its early stages, against the recommendation of experts. Perhaps the comment that best exemplifies this distrust in experts was made by President Trump during a press conference when he seems to suggest that the intake or injection of desinfectant should be evaluated as a treatment option. In Brazil, President Bolsonaro repeatedly clashed with his Health Minister, until firing him.

Whatever the public policy – from how to best address the pandemic and the huge economic costs associated with it, deal with global warming or decide on net neutrality – experts have a key role in determining the potential impact of a given policy on society, regions, and economic sectors, as well as evaluate their cost in the short and long terms.

However, the public debate of policies follows a different logic. It calls for a more simple and emotional conversation in which technical jargon and knowledge may be detrimental. The challenge moving forward is to bring technical knowledge to the public debate in a way that is meaningful to and effectively connects with the citizen, and not to belittle its role. 

 

O que os olhos não vêem …

… deixa de fazer parte da nossa realidade (como a parte fora de foco na foto acima). 

Quanto a “o que os olhos não vêem, o coração não sente”, este foi assunto do meu post anterior, abaixo.

Antes de seguir lendo, por favor assista a este vídeo. Assim o resto do artigo fará mais sentido. O vídeo faz referência ao massacre de 2012 na escola primária de Sandy Hook em Connecticut, nos EUA, onde 20 crianças de 5 a 6 anos foram mortas a tiros, e tem como objetivo conscientizar jovens sobre sinais que podem indicar que um colega esteja planejando um ataque. O video é brilhante. Já foram mais de 12 milhões de visualizações. 

Além de um storytelling excelente que nos cativa durante 2:28 minutos, o vídeo utiliza um recurso que vêm do mundo acadêmico chamado de atenção seletiva ou cegueira não intencional. É quando não registramos uma imagem ou evento no nosso campo visual por estarmos focados noutra coisa qualquer. Um dos experimentos psicológicos mais famosos sobre atenção seletiva — de autoria de Daniel Simons e Christopher Chabris — é “o gorila invisível”. Caso não tenha visto, clique aqui e veja se consegue acertar o número de passes. Caso você já tenha visto, assista a este segundo vídeo, também de autoria de Simmons. 

Eu já tinha assistido ao primeiro, então assisti ao segundo. E não deu outra. Vi o gorila, acertei o número de passes mas não percebi duas novas ocorrências. Ao longo do vídeo muda a cor da cortina e uma das jogadoras de camiseta preta sai do palco. Para mim e todos aqueles que não viram o gorila da primeira vez e/ou as novas mudanças no segundo vídeo, a realidade foi uma; para os restantes, a realidade foi outra. E estávamos todos atentamente assistindo ao mesmo vídeo. Isto é, uma imagem e duas “realidades”.

Simmons acredita que perdemos muito do que acontece ao nosso redor e que não fazemos a mínima idéia de que isto esteja acontecendo. As implicações para as relações governamentais e o public affairs são várias. Por exemplo, ao alocar foco excessivo numa crise ou série de prioridades do dia a dia, podemos perder sinais importantes de que um outro tema esteja emergindo. Podemos também criar uma realidade somente nossa que nos impede de ver o todo, reduzindo a probabilidade de notarmos o inesperado. Por último, uma leitura limitada da realidade que nos cerca pode levar a mensagens ou talking points que não conectem com o decisor ou stakeholder. É quando queremos comunicar a nossa realidade em vez de tentar entender a realidade dos outros.

Atenção seletiva é somente um exemplo de como a nossa mente opera para dar sentido ao mundo que nos cerca. Para não ser pego de surpresa por acontecimentos aleatórios, seja curioso, busque visões divergentes e evite conclusões precipitadas baseadas em experiências passadas. 

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX ENGLISH TRANSLATION XXXXXXXXXXXXXXXXXX

What the eye doesn’t see …

… isn’t part of our reality (as is the out-of-focus portion of the above photo).

As for “what the eye doesn’t see, the heart doesn’t feel”, I covered that in my previous blog entry, below.

Before reading any further, please watch this video, so the rest of the article makes more sense. The video references the 2012 massacre at Sandy Hook Elementary School in Connecticut, where 20 children aged 5 to 6 were shot to death. It’s goal is to raise awareness among young people about signs that may indicate that a classmate is planning an attack. The video has been watched over 12 million times.

In addition to great storytelling, the video borrows a concept from academia called selective attention or unintentional blindness. It occurs when we fail to register an image or event in our visual field because we are focused on something else. One of the most famous psychological experiments on selective attention – designed by Daniel Simons and Christopher Chabris – is “the invisible gorilla”. If you haven’t yet seen the video, click here, and see if you can get the number of passes right. In case you have already seen it, here is a second video, also created by Simmons.

I had already seen the first video, so I watched the second one. I saw the gorilla, I got the number of passes right, but I didn’t notice two new occurrences. Throughout the video the color of the curtain changes and one of the black t-shirt players leaves the stage. For me and all those who didn’t see the gorilla the first time around and/or the new changes in the second video, the reality was one; for all others, the reality was another one. We were all attentively watching the same video, but the same images resulted in two very different “realities”.

Simmons believes that we miss much of what happens around us and even worse, that we have no idea that this is happening. The implications can be huge. For example, by excessively focusing on a crisis or a series of everyday priorities, we can easily miss important signs that a new issue is emerging. We can also create a biased reality that prevents us from seeing the whole, reducing the likelihood of noticing the unexpected. Finally, a narrow interpretation of the world surrounding us can lead to messages or talking points that do not connect with the decision maker or stakeholder. We  communicate our reality instead of trying to understand the reality of others.

Selective attention is just one example of how our mind works to make sense of the world around us. In order not to be caught off guard by random events, be curious, look for divergent views, and avoid hasty conclusions based on past experiences.

 

O que os olhos não vêem o coração não sente

Um dos grandes desafios na hora de levar um tema complexo à sociedade, é fazer com que a mensagem seja emocional e fácil de entender. No mundo digital, onde normalmente gastamos menos do que um segundo num post antes de ir para o próximo, o desafio é maior ainda. Várias vezes a solução é deixar de lado a linguagem escrita e buscar fotos ou imagens que contam uma história, o storytelling visual.

Foi isso que o Greenpeace fez com sua campanha #cleanairnow. Três conjuntos de fotos mostram causa e efeito de uma forma super simples (veja abaixo). A mensagem é clara: poluição causa incêndios florestais, seca e degelo das calotas polares. Ao deixar de lado qualquer referência ao aquecimento global ou mudança climática, a mensagem vai direto ao cerne da questão, sem se incomodar em discutir o processo.

Screen Shot 2020-02-07 at 10.19.02 AM

Explicar o efeito estufa, isto é, o aumento da temperatura global devido à emissão de CO2 e outros gases estufa na atmosfera, e suas consequências, não é algo trivial ou rápido. Além do mais, causa e efeito não estão conectados de forma temporal nem local, isto é, a poluição aumentou gradativamente ao longo de décadas e os efeitos acontecem, por exemplo, no ártico ou numa ilha no pacífico, longe da observação direta da maioria das pessoas. Isto dificulta o entendimento e diminui a relevância. 

Claro que nem toda campanha pode se dar ao luxo de evitar uma explicação, mas de acordo com uma pesquisa da Universidade de Yale, 67% da população norte americana acredita no fenômeno. No caso dos incêndios, a grande mídia cobriu exaustivamente as queimadas ano passado na Amazônia, Califórnia e Austrália. Para que então entrar nos detalhes? O importante é chamar a atenção e levar o cidadão a ação.

Além do mais, associamos imagens com realidade, mesmo que neste caso a foto seja uma montagem. Mas como ela é uma narrativa visual convincente e que mexe com a gente, fica mais fácil fazer a associação entre poluição e catástrofes ambientais. Isto é, conseguimos perceber causa e efeito. 

E em tempos de coronavírus, a capa da revista New Yorker desta semana diz tudo.

Screen Shot 2020-03-19 at 6.21.29 PM

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX ENGLISH VERSION XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

What the eyes do not see the heart does not feel

One of the main challenges we face when communicating a complex issue to society, is to craft an emotional and easy to understand message. In the online world, where we usually spend less than a second on a post before moving on to the next one, the challenge is even greater. Often, the solution is to put aside text and find pictures or images that tell a compelling story, eg, visual storytelling.

That’s what Greenpeace did with its #cleanairnow campaign. Three sets of photos show cause and effect in a very simple way (see below). The message is clear: pollution causes forest fires, drought, and ice cap melting. Leaving aside any reference to global warming or climate change, the message goes straight to the heart of the matter, without bothering to discuss the process.

Screen Shot 2020-02-07 at 10.19.02 AM
Explaining the greenhouse effect, i.e., the increase in global temperature due to the emission of CO2 and other greenhouse gases in the atmosphere, and its consequences, is not something that easely or quickly lends itself to an explanation. Furthermore, cause and effect are not connected from either a time or geographic perspective, i.e., pollution gradually increased over decades and the effects occur, for example, in the Arctic or on an island in the Pacific, far from the direct observation of most people. This makes understanding the issue more difficult and reduces its relevance.

Of course, not every campaign can afford to avoid an explanation, but according to a Yale University survey, 67% of the American population believes in global warming. In the case of fires, mainstream media has exhaustively covered last year’s fires in the Amazon, California and Australia. So why go into the details? The important thing is to draw attention and get the citizen to take action.

  Furthermore, we associate pictures with reality, even if in this case the photo is a montage. The compelling visual narrative by the campaign moves us and makes it easier for us to establish an association between pollution and environmental degradation – we can see cause and effect.

And in times of coronavirus, this week’s cover of the New Yorker magazine says it all.

Screen Shot 2020-03-19 at 6.21.29 PM

   

Fake News – OUT / Fake Propaganda Política – IN

Facebook acabou de anunciar que propaganda política mentirosa está liberada. Em nome da livre expressão, o Facebook decidiu se eximir da responsabilidade de identificar se é ou não mentira o que as propagandas políticas e campanhas sobre temas sociais (controle de armas, aquecimento global, ..) advogam na sua plataforma, e jogou a batata quente no colo do cidadão. Isto é, Facebook não enviará propaganda política para ser verificada pelos seus fact-checkers independentes. Ao endereçar o tema num discurso recente na Universidade de Georgetown, Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, disse: “Estou aqui hoje porque acredito que devemos continuar defendendo a liberdade de expressão”.  

Pois é, a responsabilidade de decidir se um político está mentindo ou não é sua. Relaxe, por que você sabe quando alguém está mentindo pra você, certo? Errado! De vez em quando uma mentira pode até ser óbvia (veja meme abaixo que o Pres. Trump retwittou), mas já está mais do que comprovado que nós não somos uma máquina infalível de detectar mentiras, muito pelo contrário. Em seu novo livro Falando com Estranhos, Malcolm Gladwell conta que até profissionais da CIA responsáveis por identificarem espiões entre os seus, se deixaram enganar por mentiras bobas. É que no fundo, somos propensos a acreditar nos outros até prova irrefutável do contrário, um comportamento que Gladwell chama de truth default (termo criado pelo psicólogo Tim Levine). Adicione a isto nossa tendência de conformar, evitar notícias dissonantes e buscar afirmação às nossas crenças e pronto: prato cheio para aqueles interessados em espalhar a desinformação. 

Mesmo assim, Facebook optou pela não interferência, argumentando que neste caso o papel de juiz não cabe a ela, e que estaria mais do que aberta a seguir uma regulamentação imposta pelo poder público (veja aqui discurso de Nick Clegg, VP para Assuntos Globais e Comunicação). O problema com este posicionamento é duplo: joga o problema pra frente deixando espaço para o vale tudo nas próximas eleições nos EUA e em outros países e aborda o assunto unicamente pela lente legal se eximindo da responsabilidade social. Em tempos em que o debate político e de políticas públicas se dá de forma aberta e irrestrita nas mídias sociais, com o potencial de influenciar desde a eleição de um presidente até questões como Brexit (que eu discuto em mais detalhe no meu livro), a integridade da informação é absolutamente crítica.

Se por um lado o Facebook teve uma atitude laissez faire, por outro, a decisão do Twitter de completamente proibir a propaganda política me pareceu um pouco radical, pois acredito que pessoas e organizações deveriam poder compartilhar seu ponto de vista, desde que sigam certas regras. Twitter, no entanto, continua permitindo campanhas sobre temas sociais (issue campaigns), limitando somente o microtargeting (direcionamento de uma campanha através dos dados pessoais, como partido ou preferência política, CEP, idade, gênero, etc.). 

O Google seguiu caminho similar, limitando o microtargeting de propagandas políticas, mas ao contrário do Facebook, se dispõe a tirar do ar a propaganda política com alegações comprovadamente falsas. Mas como não existem soluções que a todos agradam, a decisão do Google de limitar o microtargeting de propagandas políticas foi amplamente criticada por grupos liberais (no sentido americano da palavra) e Democratas que dependem da ferramenta para engajar seu eleitorado e arrecadar fundos. 2019 foi o ano dos ajustes. 2020 será o teste.

Para quem quiser se aprofundar, tanto o Facebook quanto o Google possuem bancos de dados online que mostram quem pagou pela propaganda ou campanha, quanto pagou e onde foi ao ar. 

XXXXXX

Facebook has just announced that fake political ads are game. In the name of freedom of  expression, Facebook decided to exempt itself from the responsibility of identifying whether a political ad or social issue campaign (gun control, global warming, ..) is or not lying, dropping the hot potato on the citizen’s lap. That is, Facebook will not send political ads to be verified by its independent fact-checkers. Addressing the topic in a recent speech at Georgetown University, Mark Zuckerberg, Facebook’s CEO, said: “I’m here today because I believe we must continue to stand for free expression.”

So, it’s your responsibility to decide whether a politician’s ad is lying to you or not. Relax, because you know when someone is lying to you, right? Wrong! From time to time a lie may even be obvious (see meme below that Pres. Trump retweeted), but it has been proven that we are not an infallible lie detecting machine, quite the opposite. In his new book, Talking to Strangers, Malcolm Gladwell tells that even CIA professionals responsible for identifying spies among their own have been fooled by silly lies. Basically, we are prone to believe in others until irrefutable proof to the contrary, what Gladwell calls truth default (a term created by psychologist Tim Levine). Add to this our tendency to conform, to avoid dissonant news and to seek affirmation of our beliefs and that’s it: an easy target for those interested in spreading disinformation.

Even so, Facebook opted for non-interference, arguing that in this case it will not be the referee, but that it would be more than open to follow regulations imposed by the government (see speech by Nick Clegg, VP for Global Affairs and Communication). The problem with this positioning is twofold: it catapults the problem into the future, leaving room for misinformation in the next elections — in the US and abroad — and addresses the issue exclusively through legal lenses, exempting itself from its social responsibility. When political and public policy debates take place in an open and unrestricted environment, such as social media, with the potential to influence presidential elections and issues such as Brexit (which I discuss in more detail in my book), the integrity of the information is absolutely critical.

If, on the one hand, Facebook had a laissez faire attitude, on the other, Twitter’s decision to completely ban political advertising seemed a bit radical, as I believe that people and organizations should be able to share their point of view, as long as they follow certain principles. Twitter, nevertheless, continues to allow campaigns on social issues (issue campaigns), limiting only microtargeting (targeting a campaign based on personal data, such as party or political preference, zip code, age, gender, etc.).

Google followed a similar path, limiting microtargeting of political ads, but unlike Facebook, it is willing to take down political advertising with allegedly false claims. But as there are no solutions that appeal to everyone, Google’s decision to limit  microtargeting of political advertisements has been widely criticized by liberal (in the American sense of the word) and Democratic groups who depend on the tool to engage their constituencies and raise funds. 2019 was the year of adjustments. 2020 will be the test.

For those who want to go deeper, both Facebook and Google have online databases that show who paid for the advertisement or campaign, how much they paid, and where it aired.

#ToyotaTrump???

Saí do ar para terminar meu livro. Faltava pouco e queria me dedicar 100% ao projeto. Agora ele está pronto, e se tudo der certo, ele será publicado no primeiro semestre de 2020!   

Neste intervalo, é claro, o mundo não parou e algumas semanas atrás tivemos mais um exemplo em que a tomada de posição de uma empresa abalou a sua reputação. 

Desta vez foi a Toyota, que decidiu se aliar ao Presidente Trump. Não foi só ela; outras nove empresas, entre elas a GM, Kia, Hyundai, Fiat Chrysler e Nissan, seguiram o mesmo caminho. Só que o mundo online não perdoou a Toyota. Dêem uma olhada no Twitter usando o #BoycottToyota ou #ToyotaTrump. Várias pessoas se mostraram decepcionadas com a empresa, pois ela sempre cultivou a imagem de uma empresa preocupada com o meio ambiente. O Prius, por exemplo, foi um dos primeiros carros híbridos, lançado nos EUA na virada do século. 

No entanto, ao apoiar a ação legal do governo Trump contra o direito do estado da Califórnia de manter seus próprios padrões de economia de combustível — mais rígidos que o padrão nacional sendo proposto pelo governo Trump — a Toyota abriu espaço para críticas. E não deu outra, o cidadão stakeholder e formadores de opinião entraram na conversa. Entre eles, Robert Reich, ex ministro do trabalho no governo Obama e professor na Universidade de Berkeley, com 740 mil seguidores no Twitter. 

Screen Shot 2019-12-12 at 3.39.59 PM

https://twitter.com/RBReich/status/1189394342156177408 

Por um lado, a posição das empresas por uma legislação nacional faz sentido. Imagina ter que se adaptar a um sem número de exigências a nível estadual, de estado a estado. O detalhe, no entanto, é que a regulamentação nacional sendo proposta pelo governo Trump estabelece uma milhagem por galão de gasolina inferior aquela proposta pela Califórnia: 37 mpg entre 2021 e 2026 contra aproximadamente 50 mpg em 2026. 

Com os efeitos do aquecimento global cada vez mais visíveis é arriscado optar por padrões menos ambiciosos. Mais ainda se a empresa se diz preocupada com o meio ambiente. Não é a toa que o consumidor da Toyota se sentiu traído. Além do mais, não dá para desconsiderar o ângulo político da questão. Entrar nesta briga apoiando Trump e indo contra a Califórnia, um dos estados mais liberais do país, tem suas consequências, principalmente entre o público com maior poder aquisitivo e disposto a pagar mais por um carro que seja ecológico, como o Prius (https://www.jdpower.com/cars/ex). 

As empresas devem ter feito uma avaliação de risco/benefício. Ford, VW, BMW e Honda apostaram no meio ambiente e entraram num acordo com a Califórnia. As outras, ao apoiarem a ação do governo federal, foram banidas de imediato das vendas ao governo da Califórnia, a quinta maior economia do mundo. O final desta história, só o tempo e o consumidor dirá. 

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

I went offline to finish my book. I was almost done and wanted to dedicate myself 100% to the project. Now it’s ready, and if all goes well, it will be published in the first half of 2020!

In the meantime, the world did not stop, and a few weeks ago we had one more example in which a company’s stance shook its reputation.

This time it was Toyota, which decided to ally itself with President Trump. It wasn’t just Toyota; nine other companies, including GM, Kia, Hyundai, Fiat Chrysler and Nissan, followed suit. However, the online world did not forgive Toyota. Check out Twitter using #BoycottToyota or #ToyotaTrump. Several people were disappointed with the company, as it has always cultivated the image of a company that is concerned about the environment. The Prius, for example, was one of the first hybrid cars, launched in the US at the turn of the century.

However, by backing the Trump administration’s legal action against California’s right to set its own fuel economy standards – stricter than the national standard being proposed by the Trump administration – Toyota has set itself up for criticism. Citizen stakeholders and opinion makers joined the conversation. Among them, Robert Reich, former minister of labor in the Obama administration and professor at Berkeley University, with 740,000 followers on Twitter.

Screen Shot 2019-12-12 at 3.39.59 PM

On one hand, national legislation makes sense. Imagine having to adapt to any number of state-level, state-to-state requirements. The problem, however, is that national regulation being proposed by the Trump administration sets a lower mileage per gallon of gasoline standard than the one proposed by California: 37 mpg between 2021 and 2026 against approximately 50 mpg in 2026.

With the effects of global warming increasingly visible, it is risky to opt for less ambitious standards. Even more so if the company says it is concerned about the environment. No wonder Toyota’s consumer felt betrayed. Moreover, one cannot disregard the political angle of the issue. Getting into this fight by backing Trump and going against California, one of the most liberal states in the country, has its consequences, especially among the public with the highest purchasing power and willing to pay more for an environmentally friendly car, such as the Prius. (www.jdpower.com/cars/ex).

Companies must have made a risk / benefit assessment. Ford, VW, BMW and Honda bet on the environment and entered into an agreement with California. The others, which supported the federal government’s legal suit, were immediately banned from sales to the government of California, the world’s fifth largest economy. The end of this story, only time and the consumer will tell.

Ativismo corporativo 2.0

Em abril deste ano, a Salesforce anunciou uma mudança nos contratos com seus clientes. Agora, quem quiser os serviços de costumer relation management (CRM) na nuvem da empresa terá que se adequar a uma nova cláusula contratual que proíbe clientes de venderem online certas armas de fogo automáticas e semi automáticas. A decisão leva o debate em torno do controle de armas de fogo à relação comercial, em que uma empresa tenta impor sua visão de mundo (em torno de um tema) ao seu eco sistema de clientes. A decisão da Saleforce vai além das medidas tomadas por outras empresas, como a Amazon e Ebay, que somente proíbem a venda de armas de fogo em suas próprias plataformas.

No final do ano passado, a Levi Strauss, tradicional empresa de jeans e vestuário, criou um fundo de US$1 milhão em apoio à organizações e jovens ativistas dedicados a acabar com a violência causada por armas de fogo nos Estados Unidos. A empresa também anunciou que dobrará as contribuições individuais de seus funcionários as organizações, e que passaria a estimular o voluntariado nas entidades beneficiadas. Mesmo que a iniciativa tenha um forte componente de RP, até pouco tempo atrás, estes tipos de ações se limitavam a ONGs dedicadas a atividades filantrópicas e não de advocacy.

A National Rifle Association (NRA) — entidade que advoga pelos interesses das empresas de armas de fogo e daqueles que defendem o direito da posse de armas — reagiu fortemente ao anúncio da Levi Strauss.

Outro exemplo que mostra a evolução do ativismo envolve a Amazon onde milhares de funcionários se mobilizaram ao redor de uma demanda para que a Amazon deixasse de prover serviços para empresas que contribuem para o aquecimento global. Em carta aberta ao CEO, Jeff Bezos, e ao conselho da empresa, aproximadamente 8.000 funcionários demandaram que a empresa deixasse de vender serviços de nuvem para empresas de combustíveis fósseis “pois (a ferramenta) acelera e expande a extração de gás e petróleo.” Os funcionários também criticaram as doações de campanha à membros do Congresso que “em 2018 votaram 100% das vezes contra legislação para endereçar mudanças climáticas” e pediram para que o conselho da empresa aprovasse um plano de ação climática submetido por acionistas. O board não aprovou a demanda, que foi tema de notícias durante vários dias seguidos nos EUA, e que certamente voltará a tona. Empregados das grandes multinacionais americanas — especialmente no setor de tecnologia — entendem o poder das plataformas dentro das quais atuam para alavancar temas de seu interesse. Voltarei a este assunto no futuro.

Estes três exemplos mostram como o ativismo corporativo tem evoluído. A Salesforce passou a usar a sua força econômica para impor uma visão de mundo aos seus clientes; a Levi Strauss passou a incentivar os seus funcionários a ativamente se engajarem em pról de uma causa e os funcionários da Amazon estão se unindo para forçar sua empresa a tomar ações econômicas contra empresas de gás e petróleo que contribuem ao aquecimento global. Ameaças da Disney, Netflix e Warnermedia de não mais filmar no estado da Georgia caso legislação estadual proibindo o aborto entre em vigor já não são mais novidade. Mas quem de fato esta por trás deste ativismo corporativo é o cidadão stakeholder, que entende sua força como consumidor e talento nas empresas.  
Corporate activism 2.0

In April of this year, Salesforce announced a change to its contracts. Now, clients that want costumer relationship management (CRM) services on the company’s cloud platform will have to adhere to a new contractual clause that bars customers from selling online certain automatic and semi-automatic firearms. The decision takes the gun control debate to the commercial relationship, in which a company tries to impose its world view (around an issue) to its ecosystem of clients. Saleforce’s decision goes beyond measures already taken by other companies, such as Amazon and Ebay, which only prohibit the sale of firearms on their own online platforms.

Late last year, Levi Strauss, a traditional jeans and apparel company, created a $ 1 million fund to support organizations and young activists dedicated to ending gun violence in the United States. The company also announced that it will double the individual contributions of its employees to these organizations, and that it would start to encourage volunteering. Even though the initiative has a strong PR component, until recently, these types of undertakings were limited to NGOs dedicated to philanthropic activities rather than advocacy.

The National Rifle Association (NRA), which advocates for the interests of firearms and gun owners, reacted strongly to Levi Strauss’s announcement.

Another example that highlights the evolution of activism involves Amazon, where thousands of employees have mobilized around a demand for it to stop providing services to companies that contribute to global warming. In an open letter to CEO Jeff Bezos and the company’s board of directors, approximately 8,000 employees have demanded that Amazon stop selling cloud services to fossil fuel companies “because it accelerates and expands the extraction of oil and gas.” They also criticized campaign donations to members of congress — “we donated to 68 members of congress in 2018 who voted against climate legislation 100% of the time” — and asked that the board approve a climate action plan submitted by shareholders. The board did not approve the plan, which was in the news for several days in the US and will eventually resurface. Employees of large American multinationals – especially in the technology sector – understand the power of these platforms to leverage issues of their interest. I will return to this subject in the future.

These three examples show how corporate activism has evolved. Salesforce began to use its economic power to impose its world view onto its customers; Levi Strauss started encouraging its employees to actively engage in a cause and Amazon employees are teaming up to force their company to take economic action against gas and oil companies that contribute to global warming. Threats by Disney, Netflix and Warnermedia to no longer film in the state of Georgia if state law prohibiting abortion goes into effect, are no longer a novelty. Behind this expanded corporate activism is the citizen stakeholder, who understands his strength as a consumer and talent at companies.

Idéias a venda

Empresas estão cada vez mais cientes da necessidade de levar ao público sua posição sobre um política pública. Seja devido a inevitabilidade de uma nova regulamentação, a necessidade de dar uma resposta a pressão da sociedade ou de seus funcionários ou a uma estratégia de public affairs ou reputação, fato é que empresas estão deixando claro o que esperam do Congresso ou Executivo. É como se o tradicional position paper antes entregue a membros do Congresso ou a um representante do Executivo — detalhando um posicionamento — tivesse sido reformulado para ser compartilhado com todos. É o que fez o Facebook.

Algumas semanas atrás, o Washington Post publicou um artigo de opinião do Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, no qual ele sugere que o Congresso regule sua empresa em quatro áreas: conteúdo nocivo, integridade das eleições, privacidade e portabilidade dos dados. Para cada área, ele estabelece o desafio, o que a empresa tem feito e possíveis soluções, inclusive com recomendações sobre o que o Congresso deveria fazer. Por exemplo, quanto a integridade das eleições, Zuckerberg escreve: “No entanto, decidir se um anúncio é político nem sempre é simples. Nossos sistemas seriam mais eficazes se a regulamentação criasse padrões comuns para a verificação de atores políticos. Acreditamos que a legislação deve ser atualizada para refletir a realidade das ameaças e definir padrões para toda a indústria”.

Não faltam motivos para Zuckerberg pedir publicamente ao Congresso que regule sua empresa. Pode ser uma tentativa de reverter o baixo nível de confiança no Facebook após uma série de escândalos ao longo dos últimos anos em torno da privacidade dos dados (entre eles o caso Cambridge Analytica) e a utilização da plataforma para influenciar as eleições presidenciais de 2016. Pode também ser uma estratégia para reduzir as demandas por uma ação anti truste ou transferir ao Congresso parte da responsabilidade de endereçar os desafios sobre privacidade, eleições e distribuição de conteúdo nocivo. Mas o que merece atenção é a importância que a empresa está dando a comunicação com a sociedade sobre seu posicionamento.

Mas não é somente o Facebook que tem ido a público compartilhar suas idéias. Também no setor de tecnologia, o VP de global public policy e government relations do Google, Karan Bhatia, afirmou publicamente que a empresa gostaria de ver uma maior convergência global em torno da regulamentação da internet. A mesma opinião foi externada pela AT&T. Veja que as empresas não estão se opondo a regulamentação, muito pelo contrário, elas estão abertas a regulação e comunicando sua posição abertamente.

O mesmo vem acontecendo com as empresas de energia em relação ao aquecimento global. Em resposta a forte demanda da sociedade por ações que reduzam o impacto da queima dos combustíveis fósseis no clima, empresas de energia tem estado a frente do lobby a favor de uma política pública que endereça o aquecimento global. Semana passada, por exemplo, a Shell, BP e EDF Renewables alocaram US$2.2 milhões (BP e Shell com US$1 milhão cada e a EDF Renewables com US$200 milhões) à uma iniciativa para aprovar no Congresso um imposto que incida sobre a emissão de CO2. É isso mesmo. As empresas criaram uma coalizão cujo objetivo é criar um imposto sobre seu produto (cujo montante será distribuído à população). Claro que existem benefícios para as empresas. Parte da proposta inclui a eliminação de regulamentação. É que a coalizão argumenta que o imposto será até 3 vezes mais eficiente em reduzir a emissão de CO2 do que as regulamentações impostas ao setor durante o governo Obama.

Para saber como eleitores democratas e republicanos reagiriam a proposta, a coalizão contratou uma pesquisa da Luntz Global. Os resultados mostraram que a proposta tem amplo apelo, tanto por democratas (maior) como por republicanos. Quatro em cada cinco eleitores querem que o Congresso deixe a política de lado e chegue a uma solução bi partidária para o aquecimento global.

Outras empresas criaram uma coalizão multi setorial em parceria com ONGs, a CEO Climate Dialogue, estabelecendo princípios para o desenvolvimento de políticas públicas que enderecem os impactos da mudança climática*. O que fica claro, é que estratégias de public affairs e lobby cada vez mais requerem um profundo conhecimento da sociedade. Dependendo do tema, o cidadão deve ser tratado como mais um stakeholder. Neste contexto, entender o que ele pensa e sente, além de seus anseios e medos será cada vez mais importante. Conheça seu cliente antes de vender a sua idéia.

 

* Para uma leitura completa sobre as diversas iniciativas de empresas em relação ao aquecimento global sugiro o seguinte artigo https://www.axios.com/the-big-corporate-shift-on-climate-change-1edea61e-ca43-4df9-a293-d42e00f08caa.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_axiosam&stream=top

Companies are increasingly aware of the need to make their public policy positions public. Whether it’s due to the inevitability of new regulation, the need to respond to pressure from society and its employees, or a public affairs or reputation strategy, companies are openly sharing what they expect from Congress and the Executive. It is as if the traditional position paper previously handed to Members of Congress or a senior government official – detailing a position – has been reimagined to be shared with everybody. That’s what Facebook did.

A few weeks ago, the Washington Post published an opinion piece by Mark Zuckerberg, CEO of Facebook, in which he suggests that Congress regulate his business in four areas: harmful content, election integrity, privacy, and data portability. For each area, the opinion piece sets the challenge, what the company has done, and possible solutions, including recommendations on what Congress should do. For example, regarding the integrity of elections, Zuckerberg wrote: “However, deciding whether an ad is political isn’t always straightforward. Our systems would be more effective if regulation created common standards for verifying political actors. We believe legislation should be updated to reflect the reality of the threats and set standards for the whole industry.

There are plenty of good reasons for Zuckerberg to publicly ask Congress to regulate his company. It may be an attempt to reverse the low level of trust in Facebook after a series of data privacy breaches over the last few years (including the Cambridge Analytica case) or the use of the platform to influence the 2016 presidential elections. It may also be a strategy to reduce demands for an anti-trust action or to transfer to Congress some of the responsibility of addressing privacy, election integrity, and harmful content distribution. But what deserves special attention, is the importance the company has placed on communicating its policy position to society at large.

But it’s not only Facebook that has gone public to share its ideas. Also in the technology sector, Google’s VP of global public policy and government relations, Karan Bhatia, publicly stated that the company would like to see global convergence around Internet regulation. The same opinion was voiced by AT&T. Note that companies are not opposing regulation, quite to the contrary, they are embracing it and openly communicating their position.

The same holds true for energy companies. In response to strong societal demand for actions to reduce the impact of fossil fuels on climate, energy companies have been spearheading lobbying efforts in favor of public policies that address global warming. Last week, for example, Shell, BP and EDF Renewables allocated US $ 2.2 million (BP and Shell with US $ 1 million each and EDF Renewables US $ 200 million) to an initiative to approve in Congress a tax on CO2 emissions. That’s right. The companies have created a coalition to create a tax on their product (proceeds will be distributed to the population at large). Of course, there are benefits for the companies. Part of the proposal includes the elimination of regulation. The coalition argues that the tax will be up to 3 times more efficient in reducing CO2 emissions than the regulations imposed to the sector during the Obama Administration.

To find out how Democratic and Republican voters would react to the proposal, the coalition commissioned a survey by Luntz Global. The results showed that the proposal had wide appeal, both by Democrats (larger) and Republicans. Four out of five voters want Congress to leave politics aside and arrive at a bi-partisan solution to global warming.

Other companies created a multi-sectoral coalition in partnership with NGOs, the CEO Climate Dialogue, establishing principles for the development of public policies that address the impacts of climate change.* What is becoming clearer, is that public affairs and lobbying strategies increasingly require a deep understanding of society. Depending on the issue, citizens need be treated as stakeholders. Therefore, understanding what citizens believe and feel, as well as what their aspirations and fears are, will become increasingly important. Know your customer before selling them an idea.  

* For a in-depth review about the various corporate initiatives on global warming I suggest the following article:

https://www.axios.com/the-big-corporate-shift-on-climate-change-1edea61e-ca43-4df9-a293-d42e00f08caa.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=newsletter_axiosam&stream=top

 

 

 

Confiança em alta

Quando, em 2017, a Transport for London (TfL), agência responsável por operar o transporte público de Londres, revogou a licença da Uber, o press release da TfL justificando a decisão informou que a empresa não tinha a competência e o comportamento adequado (“fit and proper”) para operar na cidade. Segundo a TfL, “a abordagem e conduta (da Uber) demonstram falta de responsabilidade corporativa em relação a uma série de questões com potenciais implicações para a segurança pública ..”. Meses depois, quando a Corte de Westminster restituiu a licença por um período probatório, a juíza Emma Arbuthnot disse: “A questão é se a Uber é confiável.”

O caso da Uber ilustra o atual ambiente em que valores, responsabilidade corporativa e confiança são explicitamente utilizados para enquadrar uma decisão de governo. Mas não é só o poder público. Quando políticas públicas vão a público, e o debate vai para além das quatro paredes dos gabinetes e das conferências, o cidadão comum também fará juízo de valor da organização por trás de um posicionamento. E aí a identidade de uma organização e seus valores, como ela trata seus funcionários, e sua ações – o histórico de como ela se conduz – também passam a ser fatores de como ele/ela se posicionará e se eventualmente atenderá ou não a um chamado à ação: se assina uma petição ou posta na página do Facebook de um deputado a pedido de uma organização.

Não é a toa que empresas cada vez mais se preocupam em comunicar a sociedade sua identidade e valores e que os CEOs passaram a ser seus principais porta vozes. Um dos CEOs mais eloquentes e que estabeleceu confiança como seu principal valor é Marc Benioff, CEO da Salesforce, empresa de CRM na núvem. Numa entrevista à Bloomberg ele fala da importância da confiança, e porque empresas precisam definir os valores que lhe são mais caros. O contexto é a possível regulação da indústria de tecnologia, principalmente as empresas de mídia social, como o Facebook, e a privacidade dos dados. É que quando a sociedade perde a confiança numa empresa ou setor, ela tende a demandar regulação.  

Existe também o fator estrutural. Sociedades têm perdido confiança nas instituições. Por exemplo, em 2017, Brasil e EUA estavam entre os países com maior queda no nível de confiança nas instituições (2018 Edelman Trust Barometer), criando um espaço que tem sido ocupado pelas corporações.

A última pesquisa da Edelman (2019 Edelman Trust Barometer) mostra que “meu empregador” é o maior depositário da confiança das pessoas. “Globalmente, 75% das pessoas confiam que seu empregador fará o que é certo, significativamente mais do que as ONGs (57%), as empresas (56%) e a mídia (47%).” No Brasil, a confiança no “meu empregador” aumentou 7% no último ano, chegando a 77%. Este é um dos motivos pelo qual vemos um crescente ativismo corporativo. Funcionários tem pressionado seus empregadores a fazerem o que é certo e não esperar pelo governo.

Fica claro que confiança passou a ser um atributo chave para as organizações, inclusive em se tratando de políticas públicas. A percepção do poder público e da sociedade sobre ao nível de confiança de uma organização pode ter impacto significativo na capacidade desta de defender e avançar seu ponto de vista. Depois da decisão da ToL, o novo CEO da Uber, Dara Khosrowshahi disse: “A verdade é que existe um alto custo para uma má reputação.”  

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

When, in 2017, Transport for London (TfL), the agency responsible for operating public transportation in London, revoked Uber’s license, TfL’s press release justifying the decision stated that the company wasn’t “fit and proper” to operate in the city. According to TfL, it “considers that Uber’s approach and conduct demonstrate a lack of corporate responsibility in relation to a number of issues which have potential public safety and security implications.” Months later, when the Westminster Court reinstated the license for a probational period, Judge Emma Arbuthnot said: “The question is whether Uber can be trusted.”

The Uber case illustrates the current environment in which values, corporate responsibility, and trust are explicitly used to frame a government decision. But it is not just the government. When public policy goes public, and the debate goes beyond the four walls of offices and conferences, the average citizen will also judge the values of the organization behind a policy position. And then the identity of an organization and its values, how it treats its employees, and its actions – the history of how it conducts itself – also become factors of how he/she will position him/herself and whether or not he/she will respond to a call to action: if he/she will sign a petition or post on the Facebook page of a Member of Congress at the request of an organization.

It is no wonder that companies are increasingly concerned with communicating to society their identity and values ​​and that CEOs have become their main spokesperson. One of the most eloquent CEOs and one who has established trust as a core value is Marc Benioff, CEO of Salesforce, a cloud CRM company. In an interview with Bloomberg, he talks about the importance of trust, and why companies need to define the values ​​that are most dear to them. The context is the possible regulation of the technology industry, mainly social media companies such as Facebook, and data privacy. When society loses confidence in a company or industry, it tends to demand regulation.

There is also the structural factor. Societies have lost confidence in institutions. For example, in 2017, Brazil and the US were among the countries with the greatest drop in the level of trust in institutions (2018 Edelman Trust Barometer), creating a space that has been occupied by corporations.

Edelman’s latest research (2019 Edelman Trust Barometer) shows that “my employer” is the greatest repository of people’s trust. “Globally, 75% of people trust their employer to do what’s right, significantly more than NGOs (57%), companies (56%) and the media (47%).” In Brazil, confidence in “my employer” increased 7% in the last year, reaching 77%. This is one of the reasons we see growing corporate activism. Employees have been pushing their employers to do what is right and not wait for the government.

It is clear that trust has become a key attribute for organizations, including for public policy. The perception of government and society about an organization’s level of trust can have a significant impact on the organization’s ability to defend and advance its point of view. After ToL’s decision, Uber’s new CEO Dara Khosrowshahi said: “The truth is that there is a high cost to a bad reputation”.

 

como avançar a sua agenda via Twitter

O vídeo político mais visto no Twitter e número 41 entre todos os vídeos jamais vistos na plataforma é um da Deputada Federal Alexandria Ocasio-Cortez, deputada por Nova York em seu primeiro mandato. O tema: a reforma do sistema de financiamento eleitoral! Foram 40 milhões de visualizações. Nada de cachorrinhos fofos ou gamers, mas uma audiência pública no Congresso Americano. 40 milhões é sinal dos tempos. Sinal de que a sociedade está mais do que disposta a se informar e participar do processo democrático (além de votar a cada dois anos). É só saber se conectar com ela.

E isso Ocasio-Cortez faz com a maior naturalidade. Além de profundamente dominar a mídia social, AOC — como é conhecida a mais jovem mulher já eleita ao Congresso Americano — passa uma imagem humana e autêntica. Desde de que venceu a primária no seu distrito ela passou a ser a cara da nova geração Democrata, representando a ala mais a esquerda do Partido. E com 3.7 milhões de seguidores no Twitter seu raio de influência se estende para bem além do Congresso Americano.

O vídeo, gravado na Comissão de Fiscalização e Reforma da Câmara e editado pelo site de notícias NowThis News, dura pouco mais do que 5 minutos. Nele, AOC constrói seu argumento passo a passo usando perguntas simples e intuitivas. Aos especialistas ela demanda pouco mais do que respostas na forma de sim e não. Segue uma das perguntas: “Existe algo que me impede de ter ações (na bolsa de valores) de empresas de petróleo e gás e depois redigir uma lei para desregulamentar a indústria, o que poderia potencialmente levar as ações a subirem e acumular muito dinheiro?”

Com um tom levemente sarcástico, na medida certa, e uma boa dose de criatividade (o que não é fácil numa audiência pública) AOC não deixa a mínima dúvida para quem assiste ao vídeo: o sistema de financiamento eleitoral americano deixa as portas escancaradas ao conflito de interesse e atitudes anti éticas daqueles que foram eleitos. E mesmo que esta não seja uma avaliação unânime entre os experts, a marca de 40 milhões de visualizações é uma ótima notícia para o projeto de Lei HR1 — que lida com o financiamento de campanhas, a ética e os direitos dos eleitores. O consenso atual é o de que o PL será aprovado na Câmara dos Deputados — que desde janeiro tem maioria Democrata — mas que seu destino no Senado, controlado pelos Republicanos, é bem mais incerto.

O vídeo político número 2 no Twitter (com a metade do número de visualizações) pertence ao também Democrata Beto O’Rourke, ex-deputado que concorreu nas últimas eleições ao Senado do Texas, perdendo por uma pequena margem. Nele, Beto O’Rourke responde a uma pergunta de um eleitor durante uma reunião tipo townhall. O eleitor queria saber qual era a posição do ex-deputado em relação aos jogadores de futebol americano que se ajoelhavam durante a execução do hino nacional em protesto à brutalidade policial cometida contra jovens afro americanos. O assunto passou a ser altamente polêmico após ter sido politizado pelo Presidente Trump. A resposta de O’Rourke foi articulada, inteligente e franca — nada de meias respostas — e com 1.23 milhões de seguidores no Twitter ele também conta com uma boa base para disseminar a sua mensagem.

Mesmo com estilos diferentes, Ocasio-Cortez e O’Rourke souberam se conectar com a sociedade via a mídia social, tornando-se maiores do que seus redutos eleitorais. E da mesma maneira que o Presidente Trump, com seus 58.3 milhões de seguidores no Twitter, usa a plataforma para direcionar o debate e definir a agenda do país, AOC usa Twitter e Instagram para levar a sua visão à sociedade. Cada qual entendeu que a comunicação com a sociedade via a mídia social é meio caminho andado para avançar sua agenda política.